Bernardo Mora

www.moradesign.com.br

McNally Jackson Cafe e a magia da literatura

Arquiteto: Front Studio Architects
Localização: New York
Projeto Ano: 2009
Cliente: McNally Jackson Booksellers
Este projecto de renovação interior do McNally Jackson Cafe foi projetado pelo escritorio de arquitetura Front Studio Architects sediado em Nova Iorque. McNally Jackson Books é uma das maiores livrarias independentes no centro de Manhattan. Neste interior do café, o proprietário pretendia re-conceituar o cafe como um lugar evocativo de literatura. Uma colaboração fluida entre o proprietário e arquitetos, todos ávidos leitores, o espaço recém-realizado cria conexões diretas com a ideia de leitura em cada função programática.
Uma série de livros pendurados ao acaso a partir do teto, como se uma pilha de livros tinha sido atirado para o céu, decoram e criam uma atmosfera magica e ludica ao mesmo tempo. A parede curva em torno da área da sede está coberto de papel de parede feita inteiramente de livros de coluna aberta, a textura da impressão acrescenta um efeito de ondulação de páginas em movimento. Correndo ao longo da parede encontramos uma série de mesas dobráveis, cuidadosamente concebidas para se parecer com um livro dobrado quando fechado. O novo cardapio é feito de citações relacionadas com a alimentação iluminada por quatro luminárias, cada uma dedicada a várias edições de um livro singular.

McNally-Jackson-Cafe-modern-design-588x392McNally-Jackson-Cafe-food-corner-588x7981294755698-mcj-southeast-664x1000

Add a comment

A genialidade de Peter Zumthor

pp_zumthor

Zumthor2Zumthor3

THE THERME VALS

Arquiteto: Peter Zumthor
Localização:  Graubunden Canton,
Projeto Ano: 1996

O Prémio Pritzker do ano 2009 vive em um vilarejo de 900 habitantes, perto da fronteira da Suíça com a Itália. No site da cidade de Haldenstein, Peter Zumthor (1943) é listado como o arquiteto da cidade. E filho de um marceneiro de Basileia, nascido e criado na cidade, estudou em Nova York, explica que ele decidiu viver olhando para as montanhas e ouvir os sinos das vacas, quando conheceu sua mulher, Annalisa. “Ela é de aqui. Eu pensei que esta poderia ser uma boa vida”, diz ele. Deve ser. Tem se passado 40 anos. 30 anos, depois de trabalhar na reabilitação do Comité do Património do cantão, levantou o estúdio onde ele ainda trabalha, um edifício de madeira áspera que é um dos prédios antigos da vila, sem idade e aonde o tempo parece não afecta lo. “Os anos foram se passando e um dia eu percebi que meus três filhos falavam o dialeto da região”, diz ele. “Nós deveríamos estar aqui, pensei. E aqui estávamos, nada mais. A melhor coisa que aconteceu na minha vida nunca foi planejado.”

Fonte: www.elpais.com

Tradução: Bernardo Mora

Add a comment

O incrível AP 24 em 1, de Gary Chang

gary1-550x365gary2-550x365gary7-550x365gary3-550x365gary4-550x365gary5-550x365Arquiteto: Gary Chang
Localização: Hong Kong,
Projeto Ano: 2006
Área: 30 m²

Um trabalho incrível pelo arquiteto Gary Chang, neste apartamento de 30 m2 em Hong Kong. Ele construiu um estúdio de 24 ambientes, explorando o espaço, e criando uma série de paredes deslizantes entre o quarto, cozinha, sala e banheiro.

Em uma das cidades mais povoadas do mundo, onde os pequenos espaços são uma maneira de viver, tem de ser criativo. Mas podemos dizer que esta casa cruza a linha de criatividade e se torna uma obra de gênio. O apartamento do arquiteto Gary Chang foi o primeiro a sofrer uma grande transformação. Quantos quartos podem caber em um apartamento de 30 metros quadrados? Gary conseguiu encaixar 24 quartos em um lugar e todos e cada um deles tem sua personalidade única.
Isso foi possível devido a um engenhoso sistema de paredes deslizantes que podem ser movimentados, para revelar mais espaço.

Claro, existem algumas questões que vêm à mente, como o que acontece se ele tem filhos para visitar ou se alguém não é tão arrumado, mas quem realmente se preocupa com essas coisas? Confira o vídeo para muito mais informação e deixe-nos agora os comentarios sobre o impato que causou em você.


Fonte: www.edge.hk.com

Add a comment

O Maior Prendedor do Mundo

clip_02

Aqui temos um exemplo de como a arte urbana pode ser divertida. Este prendedor gigante de madeira foi criado por Mehmet Ali Uysal atualmente sendo exibido na Bélgica, no parque Chaudfontaine, como parte de uma exposição de arte contemporânea.

Resulta curioso como um objeto vulgar, usado para pendurar roupas e que forma parte do cotidiano pode se tornar o foco de interesse de um espaço urbano, valorizando e dinamizando as interações entre os diferentes agentes. Por outro lado, ideias como esta deveriam ser incentivadas e não restaria se não aplaudir se exemplos parecidos repetissem em nossas cidades.

Fonte:via ilusão 360

Fotos © Mmarsupilami


Add a comment

Sofá Inspirado em Tijolos

Brickfront1Brick-by-KiBiSi

Design: Copenhaga Kibisi Designers

Descrição do produto:

Não é dificil imaginar  como uma pilha de travesseiros em cima uns dos outros pode nos oferecer a  experiência de estar sobre um delicioso e confortável sofá. A inspiração para este sofá vem do universo imaginário da construção: almofadas empilhadas com botões que reproduzem a apariência de concreto. Este moderno sofá forma parte de um conjunto composto de um pufe, uma cadeira, sofás de dois e três lugares.

Este projeto surgiu na mente da equipe Kibisi quando um de seus parceiros, Bjarke Ingels teve problemas em encontrar o sofá perfeito para seu apartamento. Ele queria que o sofá expressasse uma identidade arquitetônica  e por isso o Sofa Brick tem a sua forma de tijolo-almofada e botões especiais, moldados de concreto com fibra.

Sem economizar elogios podemos dizer que o  Brick Sofa pode transformar qualquer espaço em um maravilhoso foco de atenção.

Fonte: www.freshhome.com

Add a comment

Arquitetura da Felicidade

A Arquitetura da FelicidadeA arquitetura da felicidade, o autor nos convida a abrir os olhos para essa curiosa relação, raramente percebida.
Uma das teses de Alain de Botton é a de que o que buscamos numa obra de arquitetura não está tão longe do que procuramos num amigo. Ao construir uma casa ou decorar um cômodo, as pessoas querem mostrar quem são, lembrar de si próprias e ter sempre em mente como elas poderiam idealmente ser. O lar, portanto, não é um refúgio apenas físico, mas também psicológico, o guardião da identidade de seus habitantes.
Seguindo esse raciocínio, o autor conclui que quando alguém acha bonita determinada construção, é porque a arquitetura reflete os valores de quem a elogia. Afinal de contas, uma simples fachada pode ser acolhedora ou ameaçadora, humilde ou esnobe, aristocrática ou religiosa, pode relembrar o passado ou apontar para o futuro. Pode até mesmo expor as idéias de um governo. Cada obra de arquitetura expõe uma visão de felicidade.
O debate chega, inevitavelmente, ao velho embate entre funcionalidade e beleza. Para o autor, esses dois aspectos não são independentes nem excludentes. Ele vê a beleza como uma das funcionalidades da arquitetura. Ou seja: as construções não são desenhadas apenas para funcionar de tal ou tal modo, mas também para refletir um ideal de beleza e transmitir mensagens. Uma das funcionalidades mais comuns dos prédios de hoje é a psicológica, pois se buscam ambientes que dêem a sensação de segurança ou que passem a impressão de modernidade, riqueza, erudição ou simplicidade. Um banheiro que não funciona direito incomoda tanto quanto um que não atenda à função estética e expressiva. Para Alain de Botton, esses princípios valem até mesmo para o mais científico e racional dos arquitetos modernos – segundo o autor, as escadas de Le Corbusier, por exemplo, não foram projetadas apenas para servir de comunicação entre dois andares, mas também para sugerir um estado de alma e refletir um estilo de vida que o agradava.

Tradução: Talita M. Rodrigues

  • Editora: Rocco
  • Autor: ALAIN DE BOTTON & TALITA M. RODRIGUES
  • ISBN: 9788532521606
  • Origem: Nacional
  • Ano: 2007
  • Edição: 1
  • Número de páginas: 272
  • Acabamento: Brochura
  • Formato: Médio

Fonte: www.submarino.com.br

Add a comment

Sofa Mosspink – A delicadeza das curvas

Mosspink sofa 1Mosspink sofa 2Mosspink sofa 3Mosspink sofa 4Design: Kati Meyer Brüh

Descrição do produto:

A beleza natural do sofa Mosspink é inspirado pela natureza. As formas orgânicas, em camadas uma sobre a outra, criam um conforto infinito. Mosspink é composta de apenas alguns elementos, como um “ato da natureza”: um quadro de madeira sólida, mais uma base de alta qualidade estofado com três diferentes elementos também  estofados.

As formas dos elementos anexos combinam perfeitamente com a base do sofá homogênea e são divertidas de se combinar, em termos de forma, cor e materiais de cobertura.
Mosspink está vestida de forma natural, tecidos ecológicos, produzidos com a ecologia em mente (atribuição do rótulo ecológico da UE), ou de couro requintado. A escolha de alumínio ou delicados pés de madeira, inclinado, triangular ou em forma de bola. A síntese de materiais atraentes e ambientalmente consciente, processos de fabricação ecologicos e design exigente são uma receita para o joie de vivre baseado na sustentabilidade. Mosspink – naturalmente, sem adornos, é uma beleza natural.

Fonte: www.stylepark.com

Tradução:Bernardo Mora

Add a comment

Showroom de Tecnologia Verde/ Vector Architects

Arquiteto: Arquitetos Vector
Localização: Beijing,
Projeto Ano: 2008
Cliente: Land CR


Design Parceria: Dong Gong
Responsavel: Zhang Hongyu
Projeto de Arquiteto: Shuo Li
Área: 500 m²
Fotografias: Arquitetura Vector

Conceito do projeto:

O projeto é uma Exposição “temporária”  de Tecnologia Verde  com uma duração de 3 anos para um dos projetos residenciais CR Terra, em Pequim. A idéia é desenvolver o conceito de “temporário” de uma perspectiva significativa, para projetar um pedaço flutuante de “instalação” no jardim, o que poderia ser construída, demolida, e recicladas através de uma forma fácil e simples com o mínimo impacto para o local planejado.

Seleção do Sistema Estrutural.
Foi escolhida a estrutura de aço como o principal sistema estrutural do edifício, portanto,
1. O membro estrutural pode ser reutilizada após a construção é finalmente retirado.
2. Sobrepor o conjunto estrutural ao tempo de fabricação  com a escavação no local, minimizando assim o cronograma de construção.
3. O edifício é elevado, reduzindo muito o trabalho de escavação e fundação, permitindo assim fácil trabalho de desmontagem  e recuperação após o uso do local.

Vertical Grass Wall sistema painéis e Telhado Verde
Vantagems na aplicação do sistema de painel vertical da grama e o telhado verde sobre o envelope do edifício,

1. Redução  de calor e aumento da eficiência térmica.
2. Os painéis de grama vai reduzir o escoamento de águas pluviais.
3. Embora o gramado central é retirado para dar lugar a esse prédio, mas efetivamente triplicou a área de plantio original usando os painéis de grama no telhado e duas fachadas.
4. Grass painel de parede é planejada para ser transferida para a vedação parcial do complexo residencial após a demolição.
5. Visualmente ajuda a harmonizar a estrutura temporária com o jardim existente ao  chamado estilo “clássico espanho”

Fonte: www.archdaily.com

Tradução:Bernardo Mora

Add a comment

A Sustentável Leveza do Vidro por FGMF Arquitetos

Em São Paulo, Brasil, o escritorio FGMF cria um projeto arquitetônico do salão de beleza com uma fachada de vidro facetado entre dois prédios existentes. Inundado de luz natural durante o  dia, as luzes da edificação atuam como uma lanterna à noite.

Sobre este projeto, FGMF Arquitetos destacam:

A construção deve ser de acordo com a linguagem estética desenvolvida também por FGMF para o salão de Kaze no bairro Mooca, em 2004, que se tornou um símbolo e padrão para toda a cadeia.

Devido às dimensões mínimas, os quatro andares do prédio e da necessidade de luz, a fachada composta por placas de vidro inclinado e do átrio ganhou grande importância. A fachada é o elemento que dá um olhar contemporâneo para o edifício, como forma facetada se transforma em uma lanterna potente para a cidade à noite.

Bem como um meio para a iluminação natural, a fachada de vidro é parte de uma ventilação controlada e sistema de controle passivo de temperatura. Alguns vidros podem ser abertos, permitindo a passagem de ar através de todo o ambiente interno, resfriando-o em seu caminho para exaustores no último andar.

O lote de pequeno porte permitiu a construção de fusão com o ambiente urbano, semi-independente como é, mas ao mesmo tempo, é capaz de mostrar a individualidade em contraste com os edifícios circundantes, qualificando o bairro em que está inserido.

Fotografias: Fran Parente

Fonte: muuuz.com

Tradução:Bernardo Mora


e projet, FGMF Arquitetos précise:

« The building should be according to the aesthetic language developed as well by FGMF for the Kaze salon at Mooca neighborhood, in 2004, which became a symbol and standard for the entire chain.

Due to the minimal dimensions, the four floors of the building and the need for daylight, the façade composed by angled glass plates and the atrium gained great importance. The façade is the element which gives a contemporary look to the building, as its faceted form turns into a powerful lantern for the city at night.

As well as a means for natural illumination, the glass façade is part of a controlled ventilation and passive temperature control system. Some window panes can be opened, allowing the passage of air through all the internal environment, cooling it on its way to exhausters on the last floor.

The small sized lot allowed the building to merge with its urban environment, semi-detached as it is, but at the same time it is able to show individuality in the contrast with the surrounding buildings, qualifying the neighborhood in which it is settled. »

Photographies: Fran Parente

Add a comment